Isabel de Aragão, de Isabel Stilwell


"Entre o céu e o inferno. Assim foi a vida de Isabel de Aragão. Nasceu envolta no saco sagrado, a 11 de fevereiro de 1270, em Saragoça. Intocável. Protegida. Com poucos dias de vida o avô, Jaime I, levou-a consigo para Barcelona, no meio de uma tempestade. Cresceu a ouvir histórias de grandes conquistas, de reinos divididos por lutas sangrentas entre pais e filhos e entre irmãos. A história de Caim e Abel. Uma história que se repetiu ao longo da sua vida… Aos 12 anos casou com D. Dinis, rei de Portugal, e junto dele governou durante 44 anos. Praticou o bem, visitou gafarias, tocou em leprosos e lavou-lhes os pés, gastou a sua fortuna pessoal a ajudar os que mais precisavam e mandou construir o mosteiro de Santa Clara, em Coimbra. Da sua lenda fazem parte milagres, curas e feitos. Mas «a melhor rosa de Aragão», que herdou o nome da Santa Isabel da Hungria, «era boa para ser rei», como dizia muitas vezes o marido. Junto dos seus embaixadores e espiões, com a ajuda da sua sempre fiel Vataça, jogou de forma astuta no tabuleiro do poder. Planeou e intrigou. Mas a história teimava em repetir-se. Caim e Abel. Pai contra filho, o seu único filho varão contra os meios-irmãos bastardos. Morreu aos 66 anos, depois de uma penosa viagem de dezenas de léguas de Coimbra a Estremoz, montada numa mula, para evitar mais um conflito entre Portugal e Castela. Sempre acreditou que a película em que nascera a protegeria de tudo, mas nos últimos tempos de vida sentia-se frágil e vulnerável. E duvidava. Onde falhara como mulher e mãe? Isabel Stilwell, a autora bestseller de romances históricos, traz-lhe a extraordinária e emocionante história da rainha que Portugal imortalizou como Rainha Santa. "

Mais um livro excelente de Isabel Stilwell, tal como ela já nos vem habituando. 
Um livro sobre a rainha Isabel de Aragão, a nossa rainha santa. A sua vida é realmente um história cativante. Viveu com o avô Jaime I até este morrer e aos 12 anos casou com D. Dinis e veio para Portugal. Desde de pequena que fugia às suas amas para ajudar os pobres e doentes, e tratava leprosos. Em Portugal, nada mudou e continuou a ajudar, vendendo a sua fortuna pessoal para ajudar os que mais necessitavam. Mandou construir o Convento de Santa Clara, em Coimbra, onde quis ser sepultada. Sempre acompanhada da sua grande amiga Vataça, uma princesa inteligente, foi espia de Aragão e Portugal. Vataça foi igualmente uma mulher com uma história interessante, que acaba por ser uma pouco dela contada neste livro. Isabel foi mãe de apenas dois filhos, enquanto D. Dinis somava filhos bastardos. E foi por causa desses filhos bastardos, que a relação entre D. Dinis e o seu filho legítimo, D. Afonso foi atribulada, cheia de desconfianças, guerras... D. Isabel sempre tentou acabar com esta guerra que opunha pai e filho. 
Uma nota interessante, o livro não menciona o famoso milagre das rosas, mas fala de outros milagres que lhe são atribuídos.

Um livro apaixonante sobre uma rainha corajosa, bondosa e inteligente! Adorei e devorei o livro!
Aconselho vivamente!

Nota histórica: O Convento de Santa Clara mandado construir por D. Isabel esteve durante muito tempo em ruínas e submerso pelo rio Mondego. Hoje é chamado de Convento de Santa Clara-a-Velha e já é possível visitar (já o visitei e adorei). No entanto, o seu túmulo já não se encontra lá. Foi retirado, por este estar sempre submerso. O seu corpo foi transladado para um túmulo de prata e cristal e encontra-se no Mosteiro de Santa Clara-a-Nova (este foi construído posteriormente, mais longe do rio) e que também possível visitar. O seu túmulo original também lá se encontra. 

By Lum

R.I.P. Chester Bennington!


"I've become so numb
I can't feel you there
Become so tired
So much more aware
I'm becoming this
All I want to do
Is be more like me
And be less like you"

By Lum

A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón


"Numa manhã de 1945 um rapaz é conduzido pelo pai a um lugar misterioso, oculto no coração da cidade velha: o Cemitério dos Livros Esquecidos. Aí, Daniel Sempere encontra um livro maldito que muda o rumo da sua vida e o arrasta para um labirinto de intrigas e segredos enterrados na alma obscura de Barcelona.
Juntando as técnicas do relato de intriga e suspense, o romance histórico e a comédia de costumes, "A Sombra do Vento" é sobretudo uma trágica história de amor cujo o eco se projecta através do tempo. Com uma grande força narrativa, o autor entrelaça tramas e enigmas ao modo de bonecas russas num inesquecível relato sobre os segredos do coração e o feitiço dos livros, numa intriga que se mantém até à última página."

Este livro é realmente envolvente. Histórias que se cruzam... Quando Daniel Sampere encontre um livro de Julian Carax, tudo muda e decide descobrir a história deste escritor misterioso. É aqui que a trama começa! Uma história, dentro de outra história, em que vários percursos se cruzam. As intrigas e segredos bem guardados que se vão descobrindo ao longo do livro, faz  com que este seja irresistível. Uma história passada em Barcelona, numa altura conturbada como era a guerra nos anos 40: a censura e o medo da policia corrupta, os amores... um livro cheio de suspense que recomendo a 100%. 

By Lum

Situações Caricatas!

Andar à algum tempo com dores num pé, que não passam nem com anti inflamatórios, levou a que o médico me passa-se exames, entre eles uma ecografia das partes moles ao tornozelo. Ora, liguei para vários lados, só havia marcações para Julho... Finalmente consegui marcar para dali a 15 dias. Porreiro!

Chegou o dia, saí mais cedo do trabalho, fiz a inscrição, paguei e sentei-me à espera. Entretanto ouviu-se um cochicho entre as empregadas, e é então que a senhora que me fez a inscrição me chama e diz "quando marcou o exame, disse que era ao tornozelo?". Eu assenti que sim. Nisto, ela diz-me"A colega que marcou o seu exame, marcou ao tornezelo para uma médica que só faz ecografias vaginais"

É que tem tudo a ver!!

O que vale é que me arranjaram para o dia a seguir!

Só gente competente! lol

By Lum

Catarina de Bragança, de Isabel Stilwell


"Com 23 anos a infanta Catarina de Bragança, filha de D. Luísa de Gusmão e de D. João IV, deixou para trás tudo o que lhe era querido e próximo para navegar rumo a uma vida nova. No coração um misto de tristeza e alegria. Saudade da sua Lisboa, de Vila Viçosa, do cheiro a laranjas, dos seus irmãos que já haviam partido deste mundo e dos que ficavam em Portugal a lutar pelo poder. Mas os seus olhos escuros deixavam perceber o entusiasmo pelo casamento com o homem dos seus sonhos, Charles de Inglaterra, um príncipe encantado que Catarina amava perdidamente ainda antes de conhecê-lo. Por ele sofreu num país do qual desconhecia a língua, os costumes e onde a sua religião era condenada. Assistiu às infidelidades do marido, ao nascimento dos seus filhos bastardos enquanto o seu ventre permanecia liso e seco, incapaz de gerar o tão desejado herdeiro. Catarina não foi capaz de cumprir o único objectivo que como mulher e rainha lhe era exigido. «Se ao menos não o amasse tanto!», pensava nas noites mais longas e tristes... Ao longo destas páginas apaixonamo-nos, sofremos, rimos e choramos."

Mais um livro que terminei de ler à cerca de um mês. Como sabem, sou fã deste género e gosto muito da escrita da Isabel Stilwell. É um livro cheio de emoção, Catarina foi realmente uma mulher sofredora. 
A perda dos irmãos mais velhos, (quase chorei nessa parte), a morte do pai abalaram-na, mas ela sempre se manteve forte. Foi para Inglaterra na esperança de conseguir mudar o rei, seu marido.. nunca o conseguiu. As amantes e os inúmeros filhos bastardos, e a impossibilidade de ela conseguir dar um herdeiro magoavam-na bastante. Nada era como ela pensava, Inglaterra nem a sua religião aceitava, foi vitima de várias tentativas de a descredibilizar perante o rei, sendo acusada de o tentar matar. A verdade é que ao ler o livro, acho que o rei Charles II a amou à sua maneira (ou assim gosto eu de pensar), uma vez que sempre a defendeu e confiou nela. Um livro, como já disse, cheio de emoções, que nos faz sentir uma simpatia enorme por esta infanta de Portugal, que foi rainha de Inglaterra.

Um livro que vale muito a pena ler!

By Lum

A Rainha das Águas, de Kai Meyer


"Esta história decorre numa Veneza mágica, onde mundos alternativos e tempos históricos se cruzam, povoada por sereias melancólicas e esquivas, que os humanos escravizam, leões de pedra vivos que servem de montada aos soldados da Guarda. 50 anos depois de o faraó Amenófis ter regressado à vida e subjugado o mundo com o seu exército de guerreiros-múmias. Só Veneza permanece livre graças à misteriosa Rainha das Águas que se confunde com as águas verde-esmeralda da Laguna. Merle e Junipa, duas jovens órfãs que trabalham na oficina de Arcimboldo, fabricante de espelhos mágicos, e Serafim, um jovem aprendiz de tecelão, descobrem entretanto uma sombria conjura destinada a entregar a cidade ao faraó. Só Merle, escolhida pela Rainha das Águas para guardar a sua essência, poderá talvez salvar o último bastião da liberdade!"

Já terminei de ler este livro à bastante tempo! Foi uma leitura bastante rápida para mim, pois estou habituada a ler livros gigantes... este é mais pequeno do que eu estou acostumada, mas de fácil leitura. Li-o rápido, não só por ser pequeno, mas também porque a história cativa bastante.

Quando o acabei de ler, a primeira impressão com que fiquei, foi que o livro acabou quando devia ter começado, cheguei mesmo a pensar "bah, acabou sem piada!". Inicialmente fiz umas pesquisas para ver se tinha sequela, pois gostava de ler, mas nada mais encontrei deste autor em Português. Entretanto, com uma pesquisa mais intensa, descobri que o livro tem sequela, apenas não está publicado em português. Não posso deixar de ficar desiludida, pois gostava muito de saber o que acontece a seguir. 

É uma aventura mágica e cheia de surpresas, mas que no final nos deixa com um sentimento de "acabou sem piada"! Infelizmente, não por causa do próprio livro, mas sim por causa da falta de continuidade da sequela em Português.

By Lum