sábado, 14 de abril de 2018

Castelo de Longroiva

Olá,

Durante a nossa "tour" em Dezembro por algumas aldeias históricas de Portugal, ficamos a dormir em Longroiva.
A freguesia de Longroiva, pertence ao concelho de Mêda, distrito da Guarda. É uma povoação muito pequena, mas muito agradável e sossegada.

Um olhar sobre a povoação de Longroiva

Longroiva tem um pequeno castelo no seu ponto mais alto. Esta povoação foi conquistada na Época da reconquista cristã, estando relacionada com os domínios dados ao Mosteiro de Guimarães. Integrou o Condado Portucalense, recebeu a carta foral em 1126, por D. Egas Gosendes de Baião. 

Castelo de Longroiva

Longroiva foi doada, posteriormente, à Ordem dos Templários em 1145 por Fernão Mendes de Bragança, esposo da Infanta Sancha Henriques, irmã de D. Afonso Henriques. É sob a orientação do Mestre Gualdim Pais que o castelo assume o actual aspecto. 
Durante o reinado de D. Dinis, foi concedido foral à vila e, em 1304, iniciaram alguns reparos no castelo e, devido à extinção da Ordem, a povoação e o castelo foram doados à Ordem de Cristo. 
Através do reinado de D. Manuel, foi possível conhecer alguns detalhes do castelo, nomeadamente, a sua praça de armas foi tomada inteiramente pelo Paço do comendador da Ordem de Cristo; e a Torre de menagem, no centro da mesma praça, tinha uma janela do estilo manuelino que chegou à actualidade. 

Vista exterior da entrada do Castelo

Este Castelo perdeu importância para o Castelo de Trancoso a partir de 1517.

No século XIX, o castelo foi alvo de uma forte degradação devido ao seu abandono, pelo que as suas muralhas foram utilizadas para fornecimento de pedra para construção e o seu interior, a praça, foi transformado em cemitério, que ainda persiste nos dias de hoje.

É possível entrar nessa praça onde se encontra o cemitério. Neste caso, o castelo é só mesmo o que se vê no exterior, uma vez que no seu interior mal se consegue caminhar com tantas sepulturas. 

Igreja Matriz e Capela de Nossa Senhora do Torrão

Ao lado do castelo, encontramos a Capela da Nossa Senhora do Torrão, construída sobre um tempo românico. É nesta capela que se encontra a presença mais expressiva da passagem dos templários. 

Igreja Matriz e Capela de Nossa Senhora do Torrão

A Igreja Matriz, mesmo ao lado da Capela, também de origem românica, sofreu algumas alterações ao longo do tempo, principalmente no século XVIII. Infelizmente, a Igreja e Capela estavam fechadas e não pudemos entrar. 

Para além destes monumentos, também se pode visitar a Forca, a Fonte da Concelha, o Pelourinho Manuelino e a Ponte Romana.

Como disse, ficamos a dormir em Longroiva, no Longroiva Hotel Rural e Termal Spa. 


Adorei o Hotel! Os quartos são novos e espaçosos, tem imensas salas de convívio com bilhar e matrecos, sala com brinquedos para as crianças. Tem ainda sala com TV e um restaurante. Para além dos quartos, o hotel dispõe de bungalows, opção ideal para as famílias. Uma das coisas que mais me surpreendeu foi a piscina exterior de água quente, aberta à noite e onde estava imensa gente. Não experimentei a parte Termal Spa, mas pelos comentários que ouvi, deve ser muito bom. O pequeno  almoço era muito bom e variado (tinha alternativas sem lactose!).
Aconselho vivamente este hotel! :)


Como chegar:
Para chegar a Longroiva vindo, quer pela A1, quer pela A23, deverá seguir pela A25 até ao nó Trancoso/IP2, e dirigir-se pelo IP2, continuando por esta via até encontrar o nó de Longroiva.



By Lum